quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Aniversário Coral Jovem Estreito - 2013

O programa musical irá começar às 17:15, e contará com a participação especial do Grupo Mensagem e do Maestro Flávio Santos. Convide seus amigos!

domingo, 30 de setembro de 2012

A Graça da Cura


Deus disse: “Se vocês ouvirem, ouvirem obedientemente às instruções de Deus para vocês viverem em Sua presença, obedecendo aos Seus mandamentos e guardando todas as Suas leis, então, não trarei sobre vocês todas as doenças que Eu trouxe sobre os egípcios, Eu sou o Deus que os cura”. Êxodo 15:26, The Message

Deus deseja que tenhamos plenitude de vida, saúde física, mental e espiritual. Tem sido um grande erro da igreja ao longo dos séculos se concentrar apenas na vida interior e negligenciar a física. De fato, nos primeiros séculos, ideias enraizadas na filosofia grega dominaram o cristianismo, ideias que denegriam o corpo. Dessa aberração se desenvolveu o ideal monástico, o celibato e a mortificação do corpo. Que diferença do relato da criação em Gênesis, em que o próprio Deus é o Criador do corpo humano!

Quando o Filho de Deus desceu à Terra para nos revelar como Deus é e para restaurar tudo o que se perdeu com o pecado, Ele dedicou boa parte de Seu tempo ao ministério da cura, trazendo vista ao cegos, audição aos surdos, fala aos mudos, movimento aos paralíticos e mente saudável aos mentalmente aflitos.

A graça fluía de Jesus, a graça da cura! Pense na vida de uma comunidade em que a dor tenha desaparecido, em que não haja sofrimento ou ansiedade – nem mesmo funerais! Jesus acabou com todos os funerais em que esteve. A morte fugia de Sua presença, pois Ele era o próprio Doador da vida.

Na verdade, podemos afirmar que o ministério inteiro de Jesus envolveu a cura. Ele tornava as pessoas sãs, a despeito de seu problema. É interessante notar que a mesma palavra grega, sozo, é utilizada tanto para expressar o ato de salvar quanto o de curar o físico. Por exemplo, quando Jairo enviou a mensagem implorando que Jesus fosse até a casa dele para curar a filha enferma (Mc 5:23), a palavra para curar utilizada é sozo, idêntica à palavra encontrada na passagem: “Pois o Filho do homem veio buscar e salvar o que estava perdido” (Lc 19:10).

“Eu sou o Deus que os cura”, Deus afirmou aos israelitas. Ele ainda é. Nem o médico mais habilidoso é capaz de nos curar. Ele é apenas um agente ou ministro da cura que apenas Deus pode efetuar.

Jesus passou Seus dias restaurando pessoas arruinadas pelo pecado. Ele ainda restaura pessoas assim. Sua graça pode transformar dias escuros em cânticos de esperança e nova vida. Nós que professamos seguir Jesus devemos hoje também ser agentes de cura. Estejamos ou não envolvidos no ministério médico, nossa missão é ajudar pessoas enfermas a encontrar cura.

sábado, 29 de setembro de 2012

A Bênção de Aser


Aser, o mais abençoado dos filhos! Que ele seja o favorito entre os irmãos, seus pés massageados com óleo. Protegido por portas e portões com trancas de ferro, sua força seja como ferro por toda a sua vida. Deuteronômio 33:24, 25, The Message

Um fervoroso cristão evangélico montou uma companhia de extração de petróleo em Israel, no território ocupado pela tribo de Aser. Ele tem certeza de que a promessa feita a Aser – “seus pés massageados com óleo” (The Message) – é a garantia de que se pode encontrar petróleo naquela região.

Não estou com pressa alguma de comprar ações dessa companhia. O “óleo” a que Moisés, autor da bênção, se referiu certamente não era o óleo mineral, mas provavelmente o óleo de oliva, ou o óleo usado para abençoar as pessoas na época. Eugene Peterson, na versão bíblica The Message, chegou bem próximo do original.

Mas esqueça os esquemas comerciais e se concentre na bênção em si. Que ideias maravilhosas ela contém! Preste atenção nelas. São cinco promessas de coisas boas.

Primeira, Aser é “o mais abençoado” dos 12 filhos de Jacó. Podemos apenas especular como isso se cumpriu. Entre as 12 tribos, as duas que parecem se destacar mais na história israelita são a de Judá, que deu origem à linhagem de monarcas que governaram o reino do sul, e a de Efraim, que estabeleceu a dinastia no norte. Rúben, apesar de ser o primogênito, nunca exerceu a liderança. Levi, por sua vez, se tornou a tribo de sacerdotes. E quanto a Aser? Não temos conhecimento de nenhum líder da tribo de Aser.

Assim, Aser, “o mais abençoado”, certamente se destacou em outras áreas. Além disso, a vida é muito mais do que poder e autoridade. Aser deveria ser “o favorito entre os irmãos”. Gosto dessa ideia! Não o líder, não o mais inteligente, mas o mais amado. Acho que preferiria essa bênção.

Os pés de Aser serão massageados com óleo. Você já recebeu uma boa massagem nos pés, daquelas que eliminam cada dor de seu corpo e fazem desaparecer o cansaço e a dor? Eu já (na Romênia), e identifico-me muito com essa bênção. Aser foi realmente um filho afortunado.

Aser também seria protegido, como se as portas e portões com trancas de ferro impedissem o mal de entrar. Isso parece convidativo nessa época turbulenta?

Por último e melhor: a força de Aser seria “como ferro” por toda a sua vida. Gosto da versão Almeida Revista e Atualizada, que diz: “Como os teus dias, assim seja a tua força” (v. 25).

Essa, sim, é uma bênção maravilhosa para levarmos conosco neste novo dia!

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

O Deus da Segunda Chance


Só Lucas está comigo. Traga Marcos com você, porque ele me é útil para o ministério. 2 Timóteo 4:11

Note quem é o autor das palavras do texto de hoje: o apóstolo Paulo. Muitos anos antes ele não permitiu que João Marcos se envolvesse em seu ministério porque, durante a primeira viagem missionária do apóstolo, Marcos, que o acompanhava juntamente com Barnabé, o decepcionou. Assim que a situação ficou difícil na Panfília (região litorânea na Ásia Menor), Marcos desistiu e voltou para casa. Posteriormente, quando Barnabé quis convidar Marcos para acompanhá-los em sua segunda viagem missionária, Paulo não permitiu. Os dois líderes tiveram uma desavença tão séria que resolveram se separar. Paulo escolheu Silas e seguiu em uma direção, Barnabé convidou Marcos e seguiu em outra.

Agora, porém, Paulo, já idoso e preso, com a morte chegando cada vez mais perto, mudou de ideia. Quer João Marcos ao seu lado. Paulo pede que Timóteo o leve até ele “porque”, diz Paulo, “ele me é útil para o ministério”.

Sempre que alguém, homem ou mulher, falha em cumprir seu dever, ficamos decepcionados. Toda vez que um jovem fracassa, fico muito triste. Os jovens já contam com muitos críticos prontos para apontar alguma falha ou atentos para vê-los fracassar sem oferecer-lhes ajuda ou apoio.

Quando um ministro fracassa, a dor é ainda maior. Os santos podem tolerar uma pessoa que comete todos os tipos de erros antes de se entregar a Cristo (às vezes exultam com os detalhes sombrios), mas tome cuidado após ser batizado. Tome cuidado dobrado se for ministro. A disposição dos santos para perdoar se desvanece diante dos seus olhos.

João Marcos corrigiu seu erro. Ele fracassou, mas Barnabé lhe concedeu uma segunda chance. E ele não o decepcionou! Graças a Deus pelos “Barnabés” da igreja – homens e mulheres que não ficam relembrando nossas falhas, mas, em vez disso, nos concedem uma segunda chance.

Além de João Marcos progredir no ministério, ele se tornou tão respeitado que seu relato da história de Jesus, um dos primeiros a ser escritos, encontrou seu lugar no cânon bíblico. Pense nisto: de fracassado a escritor do Evangelho, de desistente a líder respeitado!

Amo histórias assim, de desistentes que se tornaram decididos e corajosos; de fracassados que escreveram Evangelhos, pois eles são a demonstração viva da essência da graça. E graça tem tudo que ver com segunda chance. E terceira.

E quarta. E quinta. E sexta. E sétima...